No Twitter, perfil denuncia possíveis fraudes no sistema de cotas universitárias

Perfil publicou fotos e listas de alunos que estariam usando sistema de cotas sem ter direito.

Nesta quinta-feira (04), dois perfis no Twitter se uniram para denunciar possíveis fraudes no sistema de cotas da Universidade Federal do Piauí (UFPI). Ao G1, a instituição de ensino informou que investiga as denúncias apresentadas.

Um dos perfis, denominado “Fraudecotapi” publicou fotos e também trechos de listas com o nome dos alunos que usam o sistema de cotas de pretos, pardos ou indígenas, mas que não se enquadrariam nas “regras” para tal. Após as publicações, uma das contas foi retirada do ar. As denúncias continuaram pela conta “FraudadorcotaPI”.

“O que estamos fazendo é só mostrar as falhas do sistema para que sejam corrigidas as injustiças”, publicou o perfil.

Foto: Reprodução/TwitterPrint fraude 1

Dentre os denunciados pelo perfil, estão alunos dos cursos de medicina e ciências contábeis dos campus da UFPI em Picos, Parnaíba e Teresina. Ao todo, pelo menos dez estudantes foram denunciados.

"Pedimos que tenham cuidado com as denúncias, não queremos constranger ninguém por uma análise equivocada. Nossa intenção não é incitar o linchamento virtual dos envolvidos”, publicou a conta na rede social.

Foto: Reprodução/TwitterPrint fraude 2

Ao G1, a UFPI afirmou que investigará as denúncias, respeitando a devida tramitação do processo legal e o direito ao contraditório e à ampla defesa. A instituição emitiu uma nota sobre o assunto.

Leia a nota da UFPI na íntegra:

Vimos a público reiterar o compromisso da Universidade Federal do Piauí com a sociedade brasileira quanto ao integral cumprimento do disposto legal que regulamenta o acesso ao Ensino Superior pela modalidade de cotas, determinado pela Lei Federal nº12.711/12.

Assim sendo, reafirmamos que não compactuamos com quaisquer tipos de ações fraudulentas que retirem o direito à Educação Pública, Gratuita e de Qualidade conquistados pela população brasileira.

Compreendemos que as cotas se constituem como um importante mecanismo de enfrentamento ao racismo e ao preconceito em nosso país, assim como permitem a reparação de desigualdades econômicas, sociais e educacionais determinadas historicamente no Brasil.

Esclarecemos, ainda, que, a partir do processo seletivo SISU 2019.2, adotamos a validação racial, mediante à implantação das Comissões de Validação de Autodeclaração Étnico-racial, como aprimoramento do processo de seleção para nossos cursos de graduação, bem como numa tentativa de reduzir investidas fraudulentas.

Além disso, a UFPI tem assumido como padrão de conduta a investigação de todas as denúncias apresentadas, respeitando, sempre, a devida tramitação do processo legal e o direito ao contraditório e à ampla defesa, assim todos os casos apresentados são e continuarão sendo devidamente apurados.

Por fim, reiteramos nosso compromisso com a busca pela garantia de que os verdadeiros destinatários das ações afirmativas sejam, de fato, aqueles a ocuparem as vagas que lhes são asseguradas, pois só assim poderemos contribuir institucionalmente para a produção de uma sociedade mais justa e cônscia de seus direitos e deveres.

Saiba mais sobre:

Divulgue seu negócio e venha fazer sucesso junto com o Rota343. Clique aqui e entre em contato conosco!

Gostou? Compartilhe!